Viva a compaixão

“Fui crucificado com Cristo. Assim, já não sou eu quem vivo, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo no corpo, vivo-a pela fé no filho de Deus, que me amou e se entregou por mim.” Gálatas 2.20

 A escolha do tema da campanha de Missões Mundiais para 2022 está diretamente ligada ao momento em que a humanidade viveu nos últimos dois anos. Lidar com a pandemia da Covid-19, que nos trancou em casa, nos afastou de pessoas queridas e nos fez enxergar a morte mais de perto, nos levou a pensarmos menos em nós e mais em Cristo e enxergarmos como Deus opera milagres em nosso cotidiano. E o que é viver a compaixão, senão vivermos em favor do próximo?

No final da sua carta aos Gálatas, o apóstolo Paulo escreveu: “Sem mais, que ninguém me perturbe, pois trago em meu corpo as marcas de Jesus” (6.17). É impossível viver a compaixão de Cristo sem ter Suas marcas em nossas vidas. Paulo as teve. Agora é a nossa vez de carregarmos as marcas de Jesus em nossas vidas.

O dicionário nos diz que “compaixão” significa compreender o estado emocional de outra pessoa. O sentimento de compaixão está associado a um desejo de aliviar ou minorar o sofrimento de alguém, bem como demonstrar especial gentileza para com aqueles que sofrem. Ou seja, é um sentimento que nos leva à ação de ajudar.

Quando vivemos a compaixão de Cristo, o serviço vem naturalmente e as pessoas se abrem para o Evangelho.

A compaixão é uma das principais características de Cristo evidenciada na Bíblia.

A compaixão era o que movia Cristo às multidões, como em Marcos 6.34, “Pois Jesus saiu do barco e viu uma grande multidão, teve compaixão deles”.

E assim como um vírus, a compaixão também é contagiosa. Mas ao invés de levar ao fim, ela produz vida!

É como se para cada gesto de compaixão, 10 vidas fossem transformadas para a glória do Senhor e cheias de compaixão, numa multiplicação infinita.

Ao caminhar com Cristo, os discípulos tiveram suas próprias características transformadas. Eles passaram a ser mais sensíveis às necessidades daqueles que os cercavam. Jesus, como bem sabemos, é onisciente. Ele sabe de tudo o que precisamos, e seus seguidores de certa forma passam a desenvolver esta sensibilidade. Em Marcos 6:34-36 Jesus se compadeceu daquilo que era espiritual. Mas os discípulos se compadeceram do que era físico, pois ainda não tinham todo o entendimento daquilo sobre o qual Jesus sempre compreendeu.

Quando Jesus saiu do barco e viu uma grande multidão, teve compaixão deles, porque eram como ovelhas sem pastor. Então começou a ensinar-lhes muitas coisas. Já era tarde e, por isso, os seus discípulos aproximaram-se dele e disseram: “Este é um lugar deserto, e já é tarde. Manda embora o povo para que possa ir aos campos e povoados vizinhos comprar algo para comer”. (Marcos 6:34-36).

Talvez hoje você não possa demonstrar sua compaixão por pessoas de outros países de forma presencial, assim como têm feito os missionários de Missões Mundiais, mas pode concretizá-la através de suas ofertas e orações. Ou quem sabe falando a outras pessoas com grande amor pela obra missionária. A sua demonstração de compaixão pelo próximo pode mobilizar muitos.

Em cada situação, Deus nos traz uma lição. E na pandemia não foi diferente.

Aprendemos que para viver a compaixão fora de casa, temos que vivê-la dentro de casa.

Ao longo desta campanha, você e sua igreja serão motivados a viver a compaixão de Cristo de forma prática, amando e servindo ao próximo. É tempo de deixar Cristo viver em você.

Viva a compaixão!

Pr. João Marcos Barreto Soares
Executivo de Missões Mundiais