Poder pra libertar

13 de junho de 2018

Seguimos no trabalho para que os mais de 250 povos no Sudeste da Ásia, formado por mais de 100 milhões de pessoas que nunca ouviram do Evangelho, ouçam e conheçam do amor de Jesus. Sim, é um grande desafio, mas sabemos que será superado pela promessa que há na Palavra de que toda raça, povo, língua e nação será achado diante do Cordeiro no último dia. No entanto, essa certeza e fé de que o desafio de levar Cristo aos povos não alcançados será superado, não pode nos levar à inércia. Nossos braços não podem estar cruzados. Precisamos de seus joelhos dobrados e da sua fidelidade no sustento, ao mesmo tempo em que nós agimos nos campos.

Uma das ações é a abertura de uma escola para o treinamento de obreiros locais, para que alcancem as minorias étnicas dentro do país, o qual não citamos o nome por questão de segurança. Junto com um pastor local, planejamos esse centro de treinamento e ainda este ano queremos iniciar o seminário.

Esse nosso amigo pastor lidera uma igreja em uma região estratégica, que possui mais de 12 etnias diferentes. Eles se reúnem em uma cidade cercada por pequenas vilas que abrigam vários povos não alcançados. A batalha espiritual é real na região dele. Pessoas ouvem espíritos, falam com eles e temem ser prejudicadas por forças malignas. Por isso, mesmo tendo interesse pelo Evangelho, acabam dando um passo atrás no compromisso por pressão da família ou medo.

Ele contou sobre uma jovem nova convertida que apanhou dos pais e parentes várias vezes na tentativa de fazê-la desistir da fé em Jesus. A alegação é que ela havia trazido desgraça à família. Por não aguentar mais a situação, ela pediu ajuda. Então o pastor e sua família acolheram aquela jovem na casa deles. Na noite em que a jovem foi para a casa do pastor, eles ouviam barulhos de batidas nas portas, quando verificavam se havia alguém lá fora, não encontravam ninguém. Barulhos de pegadas no telhado da casa e passos do lado de fora também eram ouvidos, e depois de checar várias vezes e perceberem que não havia ninguém nas redondezas. Entenderam que a única forma de lidar com a situação era por meio de oração.

Assim, a opressão, a batalha e os barulhos foram vencidos!
Quando o pastor nos contou, fez questão de dizer que não foi uma situação pontual, era algo comum e corriqueiro em seu ministério. Levar o Evangelho a povos que estão aprisionados aos espíritos por séculos requer muita oração, discernimento e poder do Espírito.

Por favor, junte-se a nós em oração por este pastor e sua família, pedindo graça e poder do alto para lidar com tamanho desafio. Ore para que consigamos abrir esse seminário para treinar missionários para os trabalhos entre esses povos que nunca ouviram do Evangelho

Precisamos de muita graça, porque, como você bem sabe, vivemos uma situação em que a igreja e todas as suas atividades são proibidas. Iniciar um projeto como este requer muita intercessão. Ore também para levantarmos mais adotantes para esse projeto, a fim de que consigamos os recursos necessários para abrir esse seminário e sustentar os obreiros locais.

Mobilize mais pessoas em sua igreja para se juntar a nós em oração e sustento por esse projeto. E juntos seguirmos levando o grande EU SOU até os confins da Terra!

Ael Oliveira
Missionário no Sudeste da Ásia

ADOTE ESTE PROJETO MISSIONÁRIO



Comente o Artigo

O seu endereço de email não será publicado.