Acampamentos JMM: amor por missões

17 de fevereiro de 2017

Tudo o que eu vi no fim de semana que passei em Rio Bonito/RJ parecia ter sido pensado para avivar o amor de missões nos mat_acampamento_rio-bonito_rjpromotores não só através de testemunhos e painéis, mas também por ações que trouxessem um gostinho do que é estar no campo.

O segundo dia (o meu primeiro no acampamento) iniciou com os promotores repetindo em uníssono o tema da campanha 2017 e cantando a música oficial “Até que Ele venha”.

A palestra do mobilizador Diego Santana foi ao encontro das dúvidas dos novos promotores voluntários de missões. Ele falou sobre o tema “Sou promotor, e agora?”. Um dos painéis mais esclarecedores foi conduzido por Doris Nieto, coordenadora de Recursos Humanos de Missões Mundiais. Ela jogou luz sobre o longo caminho entre descobrir um vocacionado e levá-lo ao campo. Um pastor de Manaus que trabalha com vocacionados na igreja veio falar comigo que todo o processo de seleção é algo que ele ainda não compreendem bem.

Logo na entrada do Acampamento Batista Fluminense, local do evento, havia uma réplica de um campo de refugiados em mat_acampamento_rio-bonito_rj_campo-refugiadostamanho real, porém com extensão bem limitada, com quatro ou cinco barracas cercadas por arame. Após a foto oficial, todos os promotores foram convidados a ver de perto o campo. Ao chegar lá, se depararam com um campo ocupado por atores interpretando refugiados do Oriente Médio, cada um com uma história de fundo bem elaborada.

Uma família que dizia ter deixado três filhos para trás conseguindo carregar apenas um foi um dos pontos altos. Uma das atrizes tinha pouco a representar, a pastora Lúcia Mahmud é ex-muçulmana e pôde compartilhar um pouco das suas experiências com os promotores. Consegui gravar vários vídeos e entrevistas dessa ação e, segundo alguns mobilizadores presentes, é uma ação que querem repetir em outros acampamentos.

Após o almoço, a tarde de sábado (11) seguiu com o encontro dos promotores com os mobilizadores Antônio Galvão, Silvio Camilo, Diego Santana e Kelson Franco, que tiraram dúvidas sobre a melhor forma de promover missões em suas igrejas.

A abertura da noite de sábado começou com uma oração fervorosa, com as luzes apagadas e todos os promotores ajoelhados mat_acampamento_rio-bonito_rj_mobilizadorese com olhos fechados. Enquanto isso, vários membros da equipe trajando roupas típicas de vários locais do mundo chegaram ao lado dos que oravam e colocavam a mão sobre os seus ombros. Quando abriram os olhos, a reação foi de surpresa e emoção.

Os missionários William e Carla Freitas mostraram os frutos que colheram através da persistência, trabalhando com crianças, jovens e revitalização de igreja. O relato do crescimento do colégio batista é impressionante, com a escola indo do fardo econômico a um dos sustentos da igreja.

Representantes dos Embaixadores do Rei homenagearam os mobilizadores Silvio Camilo, Diego Santana, Kelson Franco e Alípio Coutinho com uma medalha de honra ao mérito. Alípio, coordenador de Promoção e Mobilização Missionária da JMM, encerrou a noite com um apelo de doação que foi repetido também no domingo (12) pela manhã com uma boa arrecadação.

O sono foi interrompido por bombas e cantos islâmicos. Dos quartos, muitas pessoas saíam de pijama tentando entender o que estava acontecendo.

“Muçulmanos oram pelo menos cinco vezes ao dia para um deus que não existe, e você vai ficar dormindo? Vamos orar, irmãos”, era o que gritava Silvio Camilo no microfone.

Sob a lua cheia, todos oraram primeiro em pequenos grupos e depois em uma grande corrente “abraçando” a réplica do campo de refugiados. Vários louvores eram entoados a cappella, acompanhado apenas por palmas. A oração se estendeu até 5h30 da manhã.

Gilciane Abreu, diretora executiva da Juventude Batista Brasileira (JBB), falou da parceria com Missões Mundiais e fez um mat_acampamento_rio-bonito_rj_promotoresconvite para o Despertar 2017, em Natal/RN.

Durante o encerramento do acampamento, o microfone foi aberto aos promotores. A mãe do mobilizador Diego Santana subiu ao palco e compartilhou o seu testemunho de que não queria que ele fosse missionário, mas que, no fim, vale sim a pena entregar os filhos a missões. O clima já era de choro e emoção, quando Diego resolveu compartilhar com a mãe e todos os presentes que sua esposa, Adeisa, está grávida. Isso foi demais. No palco, eram só lágrimas de alegria.

(colaboração: Jean Albernaz, setor audiovisual de Missões Mundiais)

ADOTE UM MISSIONÁRIO OU PROJETO


4 respostas para “Acampamentos JMM: amor por missões”

  1. Marta Ribeiro Pena disse:

    Para mim, foi um dos melhores acampamentos. Louvores, música oficial lindíssima.Os Testemunhos que ouvimos dos missionários foram marcantes em nossas vidas. O mais impactante pra mim foi a madrugada, quando oramos pelos Refugiados e pelas Nações. Iniciamos as orações às 4h até às 06h. Momento inesquecível. Quando encerrou, encontro com dois irmãos de minha Igreja: Gilson Coutinho e Nildo Almeida. A emoção era visível nos seus olhos, estavam impactados e me disseram: Somente saberemos o que é fazer missões, vindo ao acampamento. Antes eu ouvia falar, agora eu posso sentir. Precisamos trazer outros irmãos ao acampamento. Glórias a Deus!!

  2. Jucilene Câmara disse:

    Espero ansiosa meu momento de estar livre por completo pra me derramar em Missões, por enquanto estou me preparando, orando, contribuindo e estudando, para depois servir sem empecilhos. Espero poder participar um dia desses eventos.

  3. Lúcia Helena disse:

    Sem dúvidas foi pra mim, um dos melhores acampamentos… pude vivenciar a realidade é a dor exposta num campo através da interpretação dos envolvidos, que interpretaram muito bem a realidade de muitos…
    O silêncio da madrugada foi quebrado com o barulho de bombas. onde pudemos perceber a realidade vivida por milhares de famílias.
    Meu coração ardeu e encediou mais uma vez e hj mais que nunca sei pra quê existo. Servir ao meu irmão e levar esperança ATÉ QUE ELE VENHA!
    TODOS ESTÃO DE PARABÉNS por nos ter proporcionado tamanha realidade e com isso um despertar.

  4. Roseli Rozario disse:

    Glórias à Deus pela oportunidade que tive de participar de mais um acampamento de promotores.
    Com isso sentir de perto com a” Replica do campo de refugiados” o quanto pessoas precisam ser alcançadas com a esperança de uma nova vida em Cristo.E sermos despertados em orar mais por esse povo tão sofrido,ofertar com amor e levar as nossas igrejas a serem mais relevantes com a obra missionária.O clamor da madrugada foi muito impactante!! Que o senhor continue abençoando todos da equipe de Missões Mundiais,a todos os promotores e que com a Graça de Cristo possamos fazer uma campanha extraordinária para glória de Deus!! Leve Esperança ATÉ QUE ELE VENHA!!!

Comente o Artigo

O seu endereço de email não será publicado.